sexta-feira, 20 de março de 2009

Overdose lombriguenta

Bons amigos me apresentam a grandes escritores e filmes e a solitária cresce. Levantar muro, fechar buraco no chão, reboque, chuva, sol, risadas com o meu tio e no meio disso tudo desenhar na cabeça a laje coberta com o parapeito pronto a churrasqueira acesa e toda a trupi jogada no chão com latinha na mão alimentam as já obesas parasitas. Aprender coisas legais nas aulas e sentir que levo jeito pra coisa as deixam eufóricas. Abraços femininos e pezinhos bem feitos nem se fala, a frequência de afagos estão deixando-as mau acostumadas. Vermicida não vai ser o bastante, só vivendo mesmo pra matar a vontade.

8 comentários:

Ana Guimarães disse...

Vixe! Mata a vontade, mas alimenta as lombrigas... E elas continuam crescendo!
Beijo

Rodrigo Artur disse...

Vamos alimentá-las, com cerveja e cinema.

Eduardo Machado Santinon disse...

Vou mata-las Ana, e demorou porco!

Eduardo Araújo disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Eduardo Araújo disse...

Nunca vi ninguém chamar os desejos de lombrigas. Elas deram, no entanto, num estranho texto que mais revela esse Eduardo sentimental e cheio de inquietações. Cheio, na verdade, de desejos: por amar, suar a camisa com os caras da família na reinvenção da casa; apaixonar-se por uma carreira nova; aprender que livros e filmes podem ser mais que só lazer; e compartilhar escrevendo, todas essas coisas (lombrigas?) que o agitam por dentro e o alvoroçam. Ah, mate as lombrigas não. Deixa tudo revirar intenso em você para o Eduardo ser sempre o cara camarada, filho, sobrinho, enfermeiro, leitor, amigo, irmão, cunhado, blogueiro e porco. PORCO para o Eduardo são os caras acima da média.

Eduardo Araújo disse...

E palmeirenses, claro.

Bola, o André disse...

Concordo com o Eduardo porco, não mata as bichinhas não, senão vc perde a fome!!! Bejunda a todos!!!

Camilla para os menos íntimos... disse...

pirei nesse, muito parecido com minhas lombrigas também insaciaveis! rs!