sexta-feira, 3 de julho de 2009

A lei do mais fraco

Pixote, a lei do mais fraco. Fudido, assisti com uns 14 anos e conversando agora pouco sobre ele me dei conta de que lembro dele inteiro, sendo que não lembro da última vez que pensei nesse filme. Baixei ele agora, vou assistir quando der, e não consigo parar de pensar na Lilica.

"- Ah, não fode, Lilica!
- Fodo sim!"

9 comentários:

Ana disse...

esse filme é porreta!

você escreve de um jeito muito bacana....simples...leve...sem meio termo...é isso e é isso e pronto acabou...

de um jeito porreta!!

e eu gosto.

bj

Lubi disse...

nossa. acho que nunca assisti esse filme.

Rodrigo Artur disse...

Eu assisti, mas não me lembro de nada.

Camilla para os menos íntimos... disse...

O Roberto Carlos dos pobres.

Bola, o André disse...

Filme bom... tesouro escondido do cinema brasileiro...

FABI disse...

Qdo eu assisti eu era molecota, passou no canal 2, a famosa Cultura. Mas já não me lembro de nada...

Marcela Paiva disse...

Acho "não fode" uma expressão beeem legal.
Mas não posso usa-la em Minas. =(

Eduardo Araújo disse...

Eu tinha medo de todo mundo. Mas não esqueço da prostituta-Marília com o Pixote no peito. A cena mais radical do filme (sim, eu acredito), mais que estupro, assassinado, menino correndo nu. Aquela grande dor sem precedentes. O que nos mostra que o Babenco já foi um dia cineasta.

paulete miletta. disse...

putz, eduardo, tb. acho essa a cena mais radical do filme, a inesquecível, prá mim.
adooooro esse filme, paixão à primeira vista.