sexta-feira, 20 de novembro de 2009

O Samba

Por aqui tem sempre a mesma cara. Peguei coisa grande hoje. Bem tocado, de repertório selecionado, por quem é de partido alto. O legal é que é a mesma história, sempre. Quem desabafa, ou só fala, divaga. E divaga sempre como quem não quer nada, mas conta história já contada pra galera deslumbrada. Que já conhece a citada, porém com roupagem diferente, aceita a reprisada. E já que assunto é bem tocada, deixo aqui introdução pesada, coisa fina e rebocada, do pedreiro/poeta, mais uma cartolada.

3 comentários:

Tatiana Lazzarotto disse...

Tem aquela outra também:
"Você também me lembra a alvorada
Quando chega iluminando
Meus caminhos tão sem vida
E o que me resta é bem pouco
Ou quase nada, do que ir assim, vagando
Nesta estrada perdida".

Híndira disse...

Faz isso comigo não...

Eduardo Araújo disse...

Sou obsessivo compulsivo pelo Cartola. Algo assim, feito doença.