quarta-feira, 6 de janeiro de 2010

Almir Lúcio Santinon

O pai mal começou já teve que largar o primário. A mãe tinha o primário. Ensinou ele a escrever o próprio nome quando tinha 6 anos. Os irmãos estudaram até onde deu. Sempre foi o mais briguento. O Pai conta que dos 5 filhos (ele é o penúltimo), sempre foi o mais teimoso. Quando o Pai estava construindo a casa ele com 5 anos queria levar três, quatro tijolos duma vez, e quebrava tijolo, e chorava choro de raiva, de palmada. Aos 13 quebrou quase todos os dentes da boca, o dentista na época não era ace$$ivel. Não dá pra restaurar, alicate. Arranca o que sobrou. Vai de ponte, é o jeito. O tio era bêbado mesmo, mas era o mais legal. Tio Laerte. Xingaram o tio de bêbado no bar, ameaçaram bater nele. Já devia ter seus 15, junto com os irmãos quebrou uns quatro dentro do bar. Tio Laerte não. Era bêbado mas não invocava com ninguém, um doce, diz com os olhos marejados. O Pai sempre foi motivo de orgulho. Trabalhou feito cavalo (literalmente) a vida inteira. Trouxe a família no lombo do interior e fez casa pra todo mundo. Fez com régua, lápis, os poucos dias de primário e suor, muito suor. Mas o Pai também bebia. Bebia bem. E de vez em quando cortava a paz da madrugada com berro e bagunça. Devia estar com 17, quase 18. Acordava assustado. Depois de acordado irritado, muito. Com o tempo se acostumou a dormir de braços cruzados sentado na cama com as pernas esticadas. Fácil levantar caso precise. Um dia levantou. Levantou e deu um murro no pai. O Pai caiu chorando. Chorou junto, diz com os olhos marejados. Pé de valsa. Até hoje. Fim de semana era lei. Conheceu a Valéria no baile. Andava uma meia hora todo dia pra ir ve-la. Namorou. Casou. Diz que pediu pra Deus um casal, e que o menino fosse canhoto. 20 anos, veio a Letícia. Com 22 eu. Canhoto. Começou a trabalhar na Volkswagen mais ou menos essa época. Já trabalhava com registro desde os 13. O mais briguento, lembra? Foi a rua que ensinou o português correto, diz com os olhos marejados. Trabalhou, trabalhou, trabalhou e trabalhou. E estudou, estudou, estudou e estudou. E continou trabalhando, e estudando. Dizer que é ótimo no que faz é pouco. Dizer que seu coração é imenso é pouco. Bem pouco viu. Com 49 continua briguento. Mas chora até hoje com injustiça. Chora também com filme, cachorro na rua e desenho animado. Não chora com ingratidão. Na minha frente, desconfio que chore sozinho. E é choro justo. Injusta é a Volkswagen, familiares. Injusto é o mundo. Pior que ele lembra mesmo o Zangief. Um Zangief incapaz de aplicar um pilão.

10 comentários:

quiz brisas. disse...

você é foda!

quiz brisas. disse...

isso foi um elogio! rs!

Tatiana Lazzarotto disse...

Pais incríveis.
Recíproca no elogio, sem tirar nem pôr.

Eduardo Araújo disse...

Esse seu texto é tão tão tão bonito Eduardo. fiquei comovido demais, eu que sou um iceberg, que só choro em filmes e em finais de livros, termino seu texto aprendendo que isso também pode acontecer com posts. Mas assim, duro, lírico e sincero como seu texto.

.leticia santinon disse...

Muito bonito. E você faz parte da safra.

Lubi disse...

como é bom ter pai!
=)

Bola, o André disse...

Grande Zang...

Injustiça é pouco...

O que é deles tá guardado..

Cleyton Cabral disse...

Meus olhos que ficaram marejados. Que texto bonito do garay, Dudão.

FABI disse...

Sendo vc quem é só poderia ter um pai como o seu... Cara de marrento coração de manteiga!

E gente de bem só pode ter coisas boas no caminho, com obstáculos claro, mas coisas boas sempre virão!

Se7e/5 disse...

Os comentários que aí embaixo, foram postados no se7emeio.blogspot.com, por um portuga vigarista e o 2º comentário pela amiga brasuca que, segundo rezam as crónicas, faz sessão de streap no msn para esse portuga. As restantes batem palmas e dão saltinhos de felicidade.

“Há uma tristeza muito grande nos corações dos lusitanos: essa fração tão insignificante e imbecil que insiste em se achar inteligente! Mas só se acha, meu povo! Ele não é! Gostaria, mas falta-lhe cacife, culhões, esperteza e humanidade! Coitado! Dá uma pena!!! Kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk”

“7 e meio!
Adoro o seu blog. Você é corajoso, inteligente, escreve bem, tem carisma. Vou te seguir e virei sempre ler as tuas postagens inteligentes e dinâmicas!
O quê? Você acreditou??? uhuauhuauhuauhuauhuauhuauhuauhuauhua Que burro! Tô te tirando pra bobo, sete quintos e não sete e meio. Faltou às aulas de matemática também, além de todas as outras. kkkkkkkrsrsrsrskkkkkrsrsrskkkkkrsrs
Fala sério!”

Assim, se chega a conclusões fodidas, sobre máscaras e capas de verniz que estalam.
Assim, se7e/5 lamenta que o exclusivo de malcriação lhe esteja sendo usurpado sem autorização prévia. Impropério, afinal não é só de exclusiva responsabilidade do se7e/5, o que muito entristece minha pessoa. Sinto muita tristeza em meu coração e estou seriamente pensando em encerrar meu blogue de referência malcriada e grosseira. Quero que saibam que prezo muito a minha humilde ignorância. Se preciso for, farei uma petição pela blogosfera, para que o http://se7emeio.blogspot.com, encerre para sempre. Os meus fodidos agradecimentos à populaça blogosférica e, muito especialmente, a esse Portuga amigo que tanto gosta de foder a luas e sóis por aí. E grato também pela contribuição de verbos, setes e outros poetas. Estou chorando de dor e meu coração está desfeito.

Ajudem este pobre se7e/5! Poderão fazê-lo enviando lencinho de papel para o seu blog.

Muito obrigada!